quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Feliz Natal


O ano de 2010 em relação ao mercado acionário não foi dos melhores nem para os que operam na ponta compradora e nem para os vendidos (que apostam na baixa), uma vez que, o Ibovespa lateralizou e manteve se com baixa volatilidade na maior parte do ano.

Em função da longa acumulação durante o ano de 2010, no próximo ano tem grandes possibilidades de ganhar tendência e volatilidade, e se definir num prazo maior. O rompimento dos 74 mil pontos ou dos 69 mil pontos se tornoram os balizadores do próximo rally.

Desejo a todos um Feliz Natal e um Próspero 2011 com muita Saúde e Prosperidade!

Bons trades



terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Point of view - 20/12


Falta um pouquinho para o final do ano e parece que não teremos presente de natal para os comprados (touros). Geralmente o mercado costuma subir bem nos últimos meses do ano, porém este ano devera ser prorrogado para o próximo ano.

Ibovespa ainda testando o fundo dos 67.000 pontos e bem próximo do suporte da média de 255 dias que se encontra na região dos 66.200 pontos. O índice finalizou o dia com queda de -1,06% aos 67.263 pontos e volume financeiro de R$10,6 bilhões. Parte do volume foi em função do vencimento de opções sobre as ações.

Mais uma ação que iniciou suas operações no mercado brasileiro. O IPO da Droga Raia (Raia3) finalizou o pregão com valorização de 8,75% cotados a 26,10. O preço fixado no processo de bookbuilding foi de 24,0.

Enquanto o Ibovespa corrigiu apenas cerca de -8,5% em relação ao último topo nos 73.100 pontos, alguns ativos apresentam forte correção: Posi3 -56%, Petr4 -38%, Rdcd3 -37%, Cyre3 -29% entre outros.

Calibragens dos indicadores e osciladores:
Médias Móveis de 8, 20, 55 e 255;
Estocástico: %K = 7, %D = 2, Lento;
Fibonacci, Pivot Point e Candle.

Bons trades

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Point of view - 16/12


Ibovespa finalizou o pregão com perdas de -0,83% aos 67.306 pontos e volume financeiro de R$6,8 bilhões. Por outro lado, o Dow Jones vem se mantendo numa tendência altista e acima do topo anterior nos 11.450 pontos.

Conforme o gráfico semanal do Ibovespa, notamos que os preços perderam o canal de alta e testando o fundo anterior nos 67.100 pontos. Se perder fará um pivot de baixa com projeções bem abaixo.

O stocastico se encontra numa região sobrevendida e aliviado para a qualquer momento repicar para cima novamente.

Pelo Fibonacci, observamos que ainda há muito espaço para correções. O primeiro suporte do Fibonacci é nos 62.900 pontos. Num prazo maior, o suporte interessante estaria na região de intervalo de 43 e 46 mil pontos.

Veja bem que pelo gráfico, os preços ainda não corrigiram quase nada, mesmo com as quedas recentes. Por isso, alerto mais uma vez a necessidade de montar uma estratégia para os stops.

O Ibovespa se encontra numa região de topo que vem se acumulando há um bom tempo. Vários ativos já se encontram em tendência de baixa e sem sinal de fundo.

Os preços geralmente se desvalorizam com topos e fundos descendentes e analisando os indicadores há indícios que o repique de alta não devera demorar muito.

Bons trades

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Point of view - 09/12


Conforme o gráfico diário do Ibovespa acima:

O Ibovespa finalizou o dia com desvalorização de -1,68% aos 68.174 pontos e volume financeiro de R$6,6 bilhões.

Após testar o suporte do Fibonacci nos 67.230 pontos o índice repicou para alta e encontrou as resistências da LTA (linha de tendência de alta) como pullback e as médias móveis de 20 e 55 dias.

O stocastico se encontra cainte, e o ideal para a manutenção da alta seria não perder o fundo anterior nos 67,2 mil pontos.

Caso perca o fundo anterior, montara novamente um pivot de baixa com projeção para os 66 mil pontos (média de 255 dias), 50% do Fibo nos 65.300 pontos ou ainda os 63.500 pontos (num cenário mais pessimista).

Ibovespa
Tendência nos 60 min: vendedora
Tendência no diário: vendedora
Tendência no semanal: compradora

Em relação as empresas blue ships: a maioria dos ativos se encontram em tendência de queda (pressão vendedora dominando).

Bons trades

sábado, 4 de dezembro de 2010

Point of view - 04/12


No geral, os mercados acionários ao redor do mundo finalizaram a semana com saldos positivos. Destaque para o Dow Jones que encerrou com sinal de fundo (necessita de confirmação) e quase testando o topo anterior (resistência) nos 11.450 pontos.

Em relação ao Ibovespa, finalizou com valorização de 2,2% na semana aos 69.766 pontos, porém ainda longe do topo anterior nos 73 mil pontos que foi testado no começo de novembro/2010, ou seja, um intervalo de 4,6%.

A configuração do Ibovespa ainda é de baixa com topos e fundos descendentes no gráfico diário. No semanal plotou um candle de fundo e enquanto mantiver acima da mínima semanal nos 67.100 pontos poderá retomar a alta novamente com a finalidade de testar o topo anterior nos 73.000 ptos.

Os preços no gráfico diário já estão sendo negociados em cima das médias móveis de 20 e 55 dias o que demonstra certa indefinição do mercado no curto prazo. O stocastico diário já se encontra na região sobrecomprada possibilitando uma realização no gráfico intraday. O stocastico semanal ainda cainte, mas perto da região sobrevendida abrindo possibilidade de retomar a alta a qualquer momento.

Ao longo da semana, destaque para a valorização da Ecod3 com 16,1% e Llxl3 com perdas de -43%. Apesar da forte correção num primeiro momento, os portadores das ações da Llxl3 não sofreram prejuízos em função do recebimento de uma ação ordinária da Prtx3 para cada ação ordinária da Llxl3. Se por um lado as ações da Llx desvalorizou, as ações da PortX dispararam 806% finalizando aos 3,90.

Btow3 - Testando uma forte resistência nos 34,60. Se superar projeta como o primeiro objetivo os 36,20 como projeção do Fibo.

Petr4 - Resistência nos 26,10. Outro ponto forte é a LTB na região dos 27,50.

Ecod3 - Próxima resistência nos 1,25. Volume acima da média com boa volatilidade.

Bons trades

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Point of view - 30/11 - Long & Short


Ibovespa encerrou o pregão com queda de -0,30% aos 67.705 pontos e volume financeiro de R$10,1 bilhões. Mercado com força vendedora (bearish) e ainda sem sinal de fundo mais consistente para operar na compra. No entanto, o mercado deverá repicar a qualquer momento, uma vez que os indicadores no gráfico diário estão na região sobrevendida, ou seja, aliviados.

As médias móveis de 08 e 20 dias no gráfico diário, além de estarem cruzadas para a venda se encontram cainte. Outro fator que denota fraqueza na ponta compradora é o fato de os preços estarem sendo negociados abaixo das principais médias e pivotando para baixo (escadinha de baixa).

Ainda resta a média de 255 dias como suporte na região dos 65.500 pontos.

Em relação ao gráfico do Dow Jones acima, podemos destacar:
  • Os preços tentando se segurar na média de 55 dias;
  • A média de 08 dias cruzou a média de 20 dias, demonstrando fraqueza no curto prazo;
  • O suporte interessante se encontra na região dos 10.500 pontos. Além do Fibonacci dos 61,8%, temos a média de 255 dias.
O quer dizer Long & Short no mercado de renda variável:

A estratégia de Long & Short (Comprado & Vendido) consiste em uma operação casada (simultânea), na qual um investidor mantêm uma posição vendida em uma ação e comprada em outra (com financeiro perto de zero) no intuito de obter um residual financeiro da operação quando liquidá-la. Esta operação permite alavancagem financeira, pois é lastreada com margens de garantia.

O Long & Short pode previnir do risco de correlação com o Índice Beta do mercado, dependendo da correlação individual de cada ação com o índice de ações a qual pertence. Operações de Long & Short na BM&F Bovespa são mais comuns com ações que pertençam a ao menos um índice de mercado (Ibovespa, IBrX ou IBRX50).

Conceito
Consiste em uma operação de mercado neutro, usualmente praticada por arbitradores, utilizando-se de distorções provocadas por movimento de especuladores ou outros players do mercado.

Esta operação, conhecida no mercado brasileiro como Long & Short ou Long/Short, em português seria algo como Arbitragem entre Ações. É um tipo especifico de operação de Hedge, no qual busca-se a neutralidade em relação aos índices principais do mercado. Trata-se basicamente de uma operação de arbitragem entre papéis.

Esta arbitragem entre dois ativos busca performance relativa entre ambos,ou seja, que a ponta ativa (comprada) performe melhor que ponta passiva (vendida)ou vice-versa. Nao interessa neste caso se o índice da bolsa cai 10% ou sobe 10%, a operação pouco sofre influencia disto, se o ativo Long (ponta comprada) cair 10% mas o ativo Short (ponta vendida) cair 15% a operacao gerou um lucro de 5% no diferencial dos dois papéis.

Bons trades


quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Point of view - 25/11 - Tendência de alta ou de baixa


Pregão de pouca liquidez em função do feriado nos EUA. Mesmo assim foi suficiente para desvalorizar o Ibovespa em -0,40% aos 69.361 pontos e volume financeiro de R$2,5 bilhões.

Conforme o gráfico intraday acima do Ibovespa nos 60 minutos, notamos:

  • Os preços estão encontrando resistência na média móvel de 55 dias. Pela terceira vez não conseguiu supera-lá;
  • Os preços estão sendo negociados na região da resistência da LTB;
  • Stocástico cainte. Provavelmente os preços não perderam o fundo anterior na queda do oscilador.
Ibovespa rompendo os 69.800 pontos projetara primeiramente os 71 mil pontos (região dos 61,8% do Fibonacci).

Alguns conceitos para definir se a tendência é de alta ou de baixa no tempo observado pelo trader/investidor:
  • Notar a formação de Pivot de baixa ou de alta (topos e fundos ascendentes/descendentes);
  •  Notar se os preços estão abaixo ou acima da média de 20 períodos;
  • Acima da média de 255 períodos, a força é compradora (touros) e abaixo vendedora (ursos).
Bons trades

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Point of view - 22/11


Conforme o gráfico acima da Bvmf3, podemos destacar:
  • Sentiu a LTB (linha de tendência de baixa) como resistência;
  • Plotou sinal de topo em cima das resistências das médias móveis;
  • Stocastico na região sobrecomprada e virou para venda;
  • Bom suporte na média de 255 dias na região dos 12,50.
Após sentir a resistência da média de 20 dias o Ibovespa realizou -1,78% aos 69.632 pontos. Mesmo com a queda, o mercado ainda não perdeu o fundo anterior nos 68.600 pontos e ainda mantém as chances de buscar o topo anterior nos 73 mil pontos. Caso perca o fundo, plotara um pivot de baixa com projeções bem abaixo, logo, um bom ponto para acionar o stop nas posições compradas.

O Dow Jones vem tentando fazer um fundo em cima da média de 55 dias. O suporte ficou definido nos 10.970 pontos. Ao contrário do Ibovespa, finalizou com uma pequena queda de -0,22%.

Durante a semana teremos alguns indicadores importantes a serem divulgados (Venda de casas Novas e Confiança do consumidor), além do feriado dos EUA na quinta feira.

Indicadores x Osciladores:

Os indicadores são modelos matemáticos que foram construídos com o intuito de auxiliar a tomada de decisão. Eles são divididos basicamente em dois tipos: os rastreadores de tendência e os osciladores.

Podemos definir os rastreadores como o próprio nome diz, são indicadores que buscam encontrar tendência nos preços dos ativos, já os osciladores são de grande utilidade quando as ações se encontram em zona de congestão, não possuindo uma tendência definida. Exemplos de rastreadores de tendência são: DMI (movimento direcional), MACD, MM ( Médias Móveis) entre outros; Osciladores: IFR, Estocástico, etc.

Bons trades

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Point of view - 18/11 - Fibonacci, Linha de Tendência e Stocastico.

IBOVESPA DIÁRIO
  • Pelo gráfico acima, os preços respeitaram por enquanto a LTA (linha de tendência de alta) e o forte suporte dos 67.200 pontos;
  • A sequência de queda foi interrompida com um sinal de fundo (Harami) em cima da média de 55 dias;
  • Agora, para as novas compras temos um suporte bem definido que é a perda da LTA ou a perda da mínima dos 68.600 pontos;
  • O grande desafio para o Ibovespa nos próximos pregões será romper o topo anterior nos 73.200 pontos ao mesmo tempo que o stocastico subir;
  • Stocastico: se encontra na região sobrevendida, mostrando o cruzamento das linhas. Para manter a força dos comprados, o interessante seria quando o stocastico estiver na região sobrecomprada, o Ibovespa superar o topo anterior;
  • Se o suporte for perdido, os próximos suportes serão a região dos 67.200 pontos (Fibonacci) e 65.400 pontos (média de 255 dias, 50% do Fibo e topos e fundos anteriores).
Em relação ao Dow Jones plotou um doji em cima do suporte da média de 55 dias, mostrando um certo desgaste da força vendedora.

Bons trades

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Point of view 15/11


Em dia de feriado no Brasil, o foco das atenções voltou se para os EUA. Mas a impressão que passou que lá fora também foi feriado...rs...com o Dow Jones valorizando apenas 0,08%, Nasdaq com queda de -0,17%.

Em relação as Adr´s brasileiras negociadas na bolsa de Nova York destaque apenas para algumas ações que subiram em torno de 1% (Ambev, Eletrobras e Sabesp). Os demais ativos ou cairam ou encerraram perto da neutralidade.

Graficamente, o Ibovespa finalizou o gráfico semanal com sinal de topo e necessita de confirmação para a mudança de tendência. Em relação ao gráfico diário, com a correção da semana passada já mostrou uma boa aliviada e com todas as possibilidades de repicar novamente para a alta. Enquanto mantiver acima do suporte dos 67.200 pontos, graficamente o mercado ainda continua com vies altista.

O mais preocupante que nesta pequena correção da semana passada, alguns ativos que compõe o Ibovespa ja mostraram forte sinais de fraqueza e até montaram pivot de baixa no gráfico diário. Cyre3 perdeu o fundo anterior ´´M`` e pode se dizer o mesmo para Gfsa3 e Rsid3, Rdcd3 vem plotando escadinha de baixa, Ogxp3 também perdeu o fundo anterior e a média de 55 dias que até então era um forte suporte, Jbss3 quase perdendo um suportão nos 6,20, Goll4 também perdeu o fundo anterior e Posi3 (não faz parte do Ibovespa) que perdeu o fundo anterior com gap e um forte volume. Citei alguns, mas vários outros ativos se encontram na mesma situação.

Logo, qualquer posição na compra, o stop devera ser acionado se perder o ponto definido anteriormente quando da montagem da operação.

Bons trades


quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Médias Móveis já indicavam venda no Banco Panamericano.


Os desconhecedores de gráficos e os que não respeitaram o stop perderam capital no Banco Panamericano e saiba o motivo graficamente (reflexão):
  1. A média móvel de 8 períodos já havia cruzado a de 20 períodos no gráfico semanal em maio de 2010, ou seja, mesmo com Ibovespa aos 72 mil pontos e subinte, a ação do Banco estava cainte, ou seja, já era de conhecimento de ´´alguém`` que o Banco do Silvio não andava bem das pernas;
  2. Os preços perderam um fundo anterior em maio deste ano plotando um pivot de baixa, ou seja, indicando fraqueza do ativo. Depois começou a sentir a média de 20 períodos como resistência;
  3. Um dia antes da queda de -29%, os preços perderam novamente um fundo anterior no gráfico diário, dando mais uma chance para a venda do ativo;
  4. Em julho de 2008, as médias se cruzaram e depois disso houve uma grande depreciação do ativo (preços), o mesmo acontecendo nas últimas semanas;
  5. Outro ponto para a saída do ativo era a inclinação das médias para baixo e a escadinha de baixa (pivot) dos preços;
  6. Os preços sentiram o suporte do Fibonacci (última linha) no primeiro toque. Acredito que poderá até perder os 4,35 em função do possivel descrédito do Banco junto ao mercado após a ocorrência de fraude nos balanços.
Bons trades

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Point of view - 08/11




A semana iniciou com poucas novidades e refletiu diretamente no mercado acionário. Com pouca volatilidade, o Ibovespa finalizou o pregão aos 72.657 pontos com pequena alta de 0,07% e volume financeiro de R$5,9 bilhões. A partir de quarta feira, o mercado devera ganhar mais importância com a reunião do G-20 e resultado da Petrobras.

Ibovespa segue em busca do topo histórico nos 74.000 pontos, enquanto o Dow Jones devera buscar um forte fundo anterior de jan/2008 (resistência) na região dos 11.630 pontos.

Cabe destacar que tanto o Ibovespa quanto o Dow Jones seguem afastados da média móvel de 20 períodos no gráfico diário, logo, uma realização seria saudável com a finalidade de aliviar os indicadores que estão em região sobrecomprada.

Petr4 segue forte e uma pequena resistência nos 27,65 e mais acima nos 28,20 no curto prazo.

Csan3 segue em alta respeitando o canal. Suporte na região dos 25,50 e resistência nos 29,20.

Lren3 com as últimas quedas, os indicadores diários deram uma aliviada e com toda a possibilidade de retomar a alta novamente no curto prazo.

Fibr3 bom suporte na região entre 29,50 e 30,0.

Resultado corporativo previsto para terça feira:
- ALL
- BM&FBovespa
- Eternit
- Banco Pine
- Log-in

Bons trades

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Point of view - 03/11



Ibovespa testando novamente a região dos 72.000 pontos. Resta aguardar e verificar se desta vez rompera e seguira em busca do topo histórico nos 74 mil pontos. O suporte imediato foi consolidado na faixa dos 69.000 ptos. Em busca de volatilidade, será divulgado no período da tarde o fim da reunião do Fomc com o comunicado da autoridade sobre os rumos da política monetária nos EUA.

Matéria publicada pela Revista Época há um tempinho. Ele ganhou R$ 1 milhão na bolsa.

O investidor Fábio Calderaro é um dos quase 300 mil brasileiros que despertaram para o mundo das ações. O que você pode aprender com eles

O economista Fábio Calderaro, de 30 anos, levava uma vida difícil até poucos anos atrás. Seu pai é um pequeno comerciante, e sua mãe dona de casa em Taubaté, no interior de São Paulo. Calderaro conta que, aos 18 anos, prestou vestibular para a Faculdade de Engenharia da Universidade de São Paulo (USP) e passou. Como o curso era em período integral, ele diz que nem sequer chegou a fazer a matrícula, porque precisaria trabalhar para se sustentar. Acabou se alistando na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, Estado do Rio de Janeiro. Depois de formado, seguiu carreira na caserna. Em 1999, baseado em Manaus, começou a investir em ações. O investimento, segundo ele, foi de R$ 3.300 e não trouxe resultados vultosos no primeiro momento. Mas, depois disso, sua vida nunca mais foi a mesma. Calderaro continuou a carreira militar, mas afirma que se tornou um investidor e um pesquisador obstinado do mercado acionário. Fez faculdade de Economia, cursou pós-graduação, mudou-se para o Rio e, no ano passado, graças a suas aplicações na bolsa, diz ter conseguido conquistar seu primeiro milhão de reais. De lá para cá, afirma que se dedica apenas a aplicar, pela internet, o dinheiro que ganhou nos pregões.“Atingi a meta de fazer R$ 1 milhão um ano antes do que havia planejado”, diz Calderaro. “Hoje, vivo do que gosto de fazer: comprar e vender ações.”

Assim como Calderaro, uma legião de brasileiros de todas as idades e de todas as faixas sociais está descobrindo o mercado de ações (leia as outras histórias). De acordo com a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), 280 mil pessoas investem hoje em ações no Brasil. Há cinco anos, eram 85 mil. Embora os homens ainda formem a maioria dos investidores, um número crescente de mulheres também está arriscando seu dinheiro nos pregões. Em 2002, elas representavam 17,6% do total de aplicadores. Hoje, já representam 22%. Em números absolutos, isso significa que cerca de 60 mil mulheres já investem na bolsa. “Mais de 70% do patrimônio de minha família está aplicado em ações”, diz a engenheira eletricista Denise Damiani, de São Paulo. Ela montou um clube de investimento só de mulheres no ano passado, com o objetivo de aplicar na bolsa. Batizado como Saphira, o clube começou com 30 participantes e um patrimônio de R$ 5 mil. Hoje, tem 130 mulheres e R$ 1,5 milhão em investimentos. “É algo que está transformando a vida das mulheres”, diz Denise.

Não é por acaso que a bolsa está despertando a atenção de um grupo de pessoas que até pouco tempo atrás talvez nem soubesse exatamente como ela funciona. Como mostram os casos de Denise e de Calderaro, muita gente está ganhando dinheiro com ações. Nos últimos anos, o retorno das ações foi espetacular. Com a queda recente dos juros, o ganho das aplicações como a caderneta de poupança e os fundos de renda fixa diminuiu. A bolsa passou a ser a principal alternativa para quem quer fazer seu patrimônio crescer com mais rapidez.

Desde o fim de 2002, o índice da Bovespa (Ibovespa), que reflete a variação média das ações mais negociadas na bolsa paulista, subiu quase 700%. Quem investiu R$ 1.000 há cinco anos, teria R$ 7 mil no fim de outubro. Só em 2007, até o dia 31 de outubro, o Ibovespa subiu 47%, alcançando a marca recorde de 65.317 pontos. Em dólar, a bolsa brasileira subiu, em média, 75% no mesmo período. É o terceiro melhor desempenho entre as bolsas do mundo. A alta brasileira só foi menor que as do Peru e da China (leia no quadro). Em cinco anos, a bolsa do país é a segunda mais rentável do planeta, atrás apenas da do Egito. Outro indicador da pujança da bolsa paulista: nos últimos cinco anos, o valor de mercado das empresas com ações negociadas nos pregões, calculado com base nas cotações dos papéis, passou de R$ 1,5 bilhão para R$ 2,5 bilhões. “O mercado de ações brasileiro deixou de ser um jogo especulativo para tornar-se uma opção de investimento de longo prazo”, diz Walter Mendes, o responsável pela área de renda variável do Banco Itaú.

Com a valorização dos papéis e a entrada de um número crescente de novos investidores na bolsa, o lançamento de ações passou a ser uma alternativa interessante para as empresas que buscam capital para crescer e não querem se endividar com bancos. Em 2007, o lançamento de novas ações bateu um recorde histórico. Em outubro, a própria Bovespa lançou suas ações no mercado, e a cotação subiu 52% no primeiro dia de negociação. Até o fim do mês, 59 empresas tinham feito a abertura de capital, o que lhes permitiu captar cerca de R$ 40 bilhões. É o equivalente a 60% do orçamento deste ano do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), responsável pelo fomento da atividade econômica no país. E mais 22 empresas estão na fila.

Isso tem um significado profundo: o governo e os bancos estão deixando de ser o principal financiador das empresas brasileiras. Cada vez mais, quem está assumindo esse papel são investidores como Fábio Calderaro e Denise Damiani. Aos poucos, mais e mais brasileiros estão se acostumando à idéia de ser sócios do sucesso das empresas.“Com a estabilidade e queda dos juros, o foco está saindo do curto prazo”, afirma Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central e hoje dono da Gávea Investimentos. “Atualmente, a bolsa não é mais vista como um cassino, em que os mais espertos se aproveitam dos outros. Agora, ela passou a ser um centro gerador e alocador de poupança, como sempre deveria ter sido.”

Até os investidores estrangeiros, sempre cautelosos quando se trata de Brasil, estão desembarcando na bolsa com um apetite voraz, impensável até pouco tempo atrás. De acordo com a Bovespa, os estrangeiros investiram R$ 33 bilhões e compraram 75% das ações lançadas no mercado neste ano. No total, o saldo dos investimentos estrangeiros na bolsa brasileira chegou a US$ 142 bilhões no fim de setembro, 18 vezes o valor de 2002.

Para ganhar credibilidade e chegar aonde chegou, a Bovespa passou por uma profunda transformação, que culminou o sucesso da abertura de seu capital em outubro. A operação lhe permitiu captar R$ 6 bilhões dos investidores do país e do exterior. O processo de mudança é personificado pelo atual presidente da Bovespa, Raimundo Magliano Filho. Dono de uma pequena mas tradicional corretora de São Paulo, Magliano (lê-se Malhano) fez do desenvolvimento do mercado de capitais do país uma missão. Sob seu comando, a bolsa brasileira fez um esforço gigantesco para melhorar sua imagem. O objetivo de Magliano era levá-la a ter a mesma relevância que tem nos Estados Unidos e na Inglaterra.

Para popularizar o investimento em ações, a bolsa lançou em 2002 o programa “A Bovespa vai até você”. Passou a enviar seus promotores a fábricas, escolas e até ao litoral, em caminhonetes decoradas com imagens dos pregões. Criou também o cargo de ombudsman, para zelar pelos interesses dos investidores. Outro passo essencial foi estimular a criação de mecanismos de proteção aos acionistas minoritários. Em 2001, com o apoio da Bovespa, a nova Lei das Sociedades Anônimas equilibrou o relacionamento com os acionistas controladores.

No entanto, o grande salto foi a criação de Novo Mercado, em 2000. Trata-se de uma nova categoria de classificação das empresas com ações negociadas na bolsa. Ela foi criada para diferenciar as companhias que adotam práticas de gestão transparentes e facilitam o acompanhamento e a fiscalização dos atos da administração. Os papéis de empresas que pertencem ao Novo Mercado passaram a ser mais procurados e subiram mais que os demais. Isso criou um estímulo para que outras empresas entrassem no sistema. “Em vez de defender a mudança da legislação para forçar as empresas abertas a aderir ao Novo Mercado, são as empresas que aderem de forma voluntária ao compromisso de ser transparentes com os investidores”, diz Magliano, da Bovespa.

O cenário econômico favorável, aqui e no exterior, também afeta positivamente o desempenho da Bovespa. Apesar da crise recente no mercado americano de hipotecas, ainda há dinheiro sobrando no mercado global. A credibilidade alcançada até agora pelo Brasil, com a manutenção de uma política econômica consistente, tem sido decisiva. Em breve, o Brasil deverá receber o tão esperado “grau de investimento” das agências de classificação de risco internacionais. Isso representará um aval indispensável para os grandes fundos de pensão americanos investirem aqui.

O único senão a esse ciclo virtuoso ainda são os índices de crescimento econômico do país. Segundo Paulo Leme, economista-chefe do Goldman Sachs, um dos maiores bancos de investimento americanos, o Brasil poderia estar crescendo, no mínimo, 6% ao ano se tivesse feito as reformas tributária e da Previdência e reduzido os gastos públicos. Leme diz que os investidores externos já começam a se preocupar com o aumento excessivo dos gastos do governo. Segundo ele, o que está acontecendo hoje é quase nada perto do que poderia acontecer se as reformas tivessem sido implementadas. Ele usa uma imagem gastronômica para explicar melhor seu raciocínio. “Uma empadinha com uma cervejinha bem gelada cai bem”, afirma Leme. “Mas uma torta de frango, além de mais substanciosa, pode servir muito mais gente.” Apetite – é o que não falta aos investidores.
Fonte: Revista Época

Bons trades

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Point of view - 26/10



O Ibovespa praticamente foi sustentado pela alta dos ativos da Petrobras que variou cercad de 5% plotando um belo candle no gráfico diário e com volume. No gráfico intraday de 60 minutos da Petr4 plotou um sinal de topinho após tocar na média de 255 períodos. Uma resistência boa que poderá levar o ativo a uma realizada de leve para depois retomar a alta e romper de fato os 26,25 e levar o ativo a negociar acima da média de longo prazo depois de muito tempo.

Em relação ao Ibovespa, depois de aliviar o stocastico no gráfico diário, o índice finalizou o pregão com alta de 1,67% aos 70.740 pontos. O importante para os próximos dias com a subida do stocastico é romper o topo dos 72.100 pontos para sinalizar força dos investidores (touros) com a finalidade de manter a tendência altista.

Alguns ativos que estavam depreciados e resolveram repicar: Petr4, Jbss3, Rdcd3 e Kepl3.

Alguns resultados trimestrais a serem divulgados nesta quarta-feira:
- Vale do Rio Doce;
- Redecard;
- Bradesco;
- Totvs;
- Net.

Análise gráfica de alguns ativos:
Btow3, por enquanto respeitando o sinal de fundo. Stop mais curto nos 28,80 e resistência nos 33,0.

Mmxm3, ativo perto da resistência nos 14,0. Acima desse valor tera resistência nos 14,20 e caso supere, o topo de março/2010 nos 14,70.

Jbss3, sinalizou fundo duplo na faixa dos 6,20. Acima desse valor tem como a próxima resistência a região dos 6,90.

Bons trades

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Point of view - 21/10



Depois de uma abertura favorável o Ibovespa inverteu a tendência positiva e finalizou o pregão com desvalorização de -1,07% aos 69.652 pontos e volume financeiro de R$7,3 bilhões. Hoje testou um suporte do topo anterior nos 68.800 pontos. O importante no curto prazo é não perder a mínima de hoje, se não o próximo suporte será nos 67.000 pontos região de Fibonacci.

Mas toda essa queda era prevista, tendo em vista a resistência dos 72.000 pontos. Antes de corrigir de vez, fez alguns candles de indecisão na resistência. O stocastico no diário já apresentou uma boa aliviada e não ira demorar muito para o Ibovespa repicar novamente para a alta.

Caros leitores, cada dia que passa, o Fibonacci me deixa mais impressionado, tamanha a veracidade dos pontos que tocam pelos preços e são respeitados. Um conselho aos investidores iniciantes ou não. Valeria a pena perder um pouco de tempo neste assunto e se aprofundar nos estudos fazendo um backtest. Boa literatura sobre o assunto Fibo, infelizmente ainda não o conheço para indicação.

Algumas blue ships perderam as mínimas novamente e abriram projeções de Fibonacci bem abaixo dos preços atuais. No dia 26/10 começara a ser divulgado os balanços trimestrais das empresas o que poderá dar um novo tom de otimismo nos mercados. Segundo alguns analistas dos principais bancos os números deverão vir acima das expectativas favorecendo os preços dos papéis.

Em relação ao Dow Jones vem mantendo a força no diário e ainda sem sinais de reversão no gráfico diário. Hoje rompeu uma congestão no intraday, mas não agüentou a pressão dos Ursos e retornou para baixo da resistência. Não falta muito para o Dow romper o topo anterior plotado no mês de abril/10. Basta uma alta de 1% em relação ao fechamento de hoje.

Bons trades

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

As Principais Empresas Agrupadas por Setores



Aeroespacial
Embraer
Alimentos
Minerva
Mdias Branco
Brasil Foods
Autopeças
Iochpe-Maxion
Fras-le
Marcopolo
Randon
Bebidas e Fumo
Ambev
Souza Cruz
Bens de Capital
Confab
Industria Romi
Weg
Biocombustíveis
Açucar Guarani
Cosan
São Martinho
Comércio
B2W
Guararapes
Cia Hering
Lojas Americanas
Lojas Renner
Marisa
Pão de Açucar
Saraiva
Construção Civil
Agre
Brookfield
Camargo Corrêa
Gafisa
Inpar
MRV
PDG Realty
Rodobens
Rossi
Tecnisa
Cyrella
Cosmésticos
Natura
Educação
Estácio
Kroton
SEB
Energia Elétrica
AES
Celesc
Cemig
Cesp
Coelce
Copel
CPFL
Eletrobras
Eletropaulo
Equatorial
Light
MPX
Tractebel
Transmissão Paulista
Fertilizantes
Fosfértil
Gás
Comgás
Instituições Financeiras
Banco do Brasil
Bradesco
Itaú Unibanco
Banrisul
ABC
Bic
Daycoval
Sofisa
Itaúsa
Internet
Ideiasnet
Totvs
Uol
Positivo
Locação de Veículos
Localiza
Logística
ALL
CCR
Log-in
OHL
Santos Brasil
Tegma
Triunfo
Wilson Sons
Llxl
Material de Construção
Duratex
Eternit
Mineração
Vale do Rio Doce
Ferbasa
Bradespar
Mmxm
Papel e Celulose
Fibria
Klabin
Suzano
Petróleo
Petrobras
Ultrapar
Ogxp
Petroquímico
Brasken
Unipar
Saneamento
Copasa
Sabesp
Saúde
Amil
Dasa
Drogasil
Hipermarcas
Medial
Odontoprev
Tempo Part.
Seguradoras
Porto seguro
SulAmerica
Serviços Financeiros
ABNote
BM&FBovespa
CSU
RedeCard
Cielo
Shopping Centers
BrMalls
General Shopping
Iguatemi
Multiplan
Siderurgia
CSN
Gerdau
Met. Gerdau
Usiminas
Telecomunicações
GVT
Tele Norte Leste
Telemar
Telesp
Tim
Vivo
Contax
Têxteis e Calçados
Grendene
Alpargatas
Transporte Aéreo
Gol
Tam
Bons trades



sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Point of view - 14/10


Segundo pregão consecutivo que o Ibovespa testa os 72.000 pontos e não supera a resistência. O candle desta quinta feira foi de indecisão (doji) e com possibilidade de correção no intraday. Suporte imediato nos 69.700 pontos (média de 20 períodos) e o mais longo nos 67.500 pontos (LTA). Mas o grande teste do índice ainda continua sendo o topo histórico nos 74 mil ptos.


Em relação ao Dow Jones segue em busca do topo anterior nos 11.260 pontos. Uma valorização de 1,50% em relação ao fechamento que encerrou nos 11.094 pontos. Caso supere a resistência, o próximo objetivo do índice será nos 11.690 pontos (topos e fundos anteriores) e 12.390 pontos (resistência do Fibonacci).


Destaque positivo do pregão foi a Petr4 que valorizou 2,8% encerrando acima do suporte.


Destaque negativo foi a Ccro3 com queda de -8,3% e volume histórico de R$884 milhões em função da saída de um grande acionista (Brisa Auto Estradas) através do Banco Santander.

.

Bolsa anuncia mudanças em períodos de negociação por conta do horário de verão a partir do dia 18/10:


Pregão regular:

10h45 às 11h - leilão de pré-abertura

11h às 18h - sessão contínua de negociação

17h55 às 18h - call de fechamento


After-Market:

18h30 às 18h45 - pré-abertura

18h45 às 19h30 - fase de negociação


Bons trades


segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Analise Gráfica Semanal - Bvmf3


Outros ativos:
  • Jhsf3 rompendo topinho anterior nos 3,20 com volume.
  • Embr3 rompeu um canal de baixa de curto prazo nos 11,85.
  • Wege3 por enquanto segue no canal de alta com rompimento da congestão respeitando a média de 8 períodos.
  • Csan3 rompeu a congestão nos 25,60 e podera a qualquer momento fazer um pullback.
  • Fibr3 trabalhando em cima do suporte dos 28,0.
Bons trades

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Point of View: Análise Gráfica x Análise Fundamentalista



"Todo imbecil é capaz de ver gráficos com eficiência." Dessa maneira, Odir Aguiar, o Didi, resume a vantagem da análise gráfica. Ele é conhecido por ter descoberto a "agulhada do Didi", um método de antecipar tendências a partir da observação de três médias móveis colocadas em gráfico.


Didi defende que "qualquer um pode ficar rico com a Bolsa", basta praticar. "Precisa separar uma quantia pequena do dinheiro e operar. No começo é só para aprender, depois é para ganhar."


Apesar de dizer que a convivência é harmoniosa, Didi não poupa críticas aos fundamentalistas. De acordo com ele, "os balanços são todos escamoteados" e "é impossível entender com profundidade vários setores ao mesmo tempo".


Abaixo, ele responde a questões do analista fundamentalista William Alves.


Como quem não tem tempo para acompanhar o mercado pode usar gráficos?

Basta acompanhar os gráficos num tempo maior. Quando aumenta o tempo, também aumenta o perfil de operação.


Como se precaver de comprar empresas em situação financeira deplorável?


Os participantes, incluindo os fundamentalistas, impregnam o mercado com pequenos vetores. Temos então impressões gráficas de todas as informações. Os gráficos leem o vetor resultante. Embora não saibamos quem está fazendo o movimento, ou por que, sabemos o que está acontecendo, e isto é o que interessa.


Como analisar uma empresa com pouca liquidez?


É impossível, assim como em novos lançamentos. Gráficos são ferramentas para operações. Desaconselho papéis com baixa liquidez, seja a indicação técnica ou fundamentalista. O grafista não quer entender, quer ganhar.


A teoria grafista se baseia na hipótese de mercados eficientes. Como agir, se nem todas as informações se encontram num gráfico?


Não acho que se baseie em hipóteses, é muito mais uma verificação estatística. Também usamos fórmulas, só que as enxergamos em gráficos, não em índices. A análise técnica mostra para onde o mercado vai, e não para onde deveria ir. Os movimentos de mercado sofrem muito mais influência das ciências humanas do que das ciências exatas.


CONFORTO


William Alves opera no mercado financeiro com base na análise dos indicadores das empresas. "Sinto-me mais mais confortável entendendo aquilo em que eu invisto."


Na sua avaliação, a análise gráfica é uma "profecia autorrealizável". "Como muita gente opera baseado nela, muitas análises acabam dando certo", diz o analista, que tampouco descarta o gráfico como ferramenta complementar de avaliação. Os gráficos o ajudam, por exemplo, a estabelecer o momento ideal, em termos de preço, para se adquirir uma ação.


Ele explica como analisa as oportunidades. "Tem de traçar um cenário macroeconômico do setor e situar a empresa. Depois, olhar a situação econômico-financeira da companhia."


O analista ainda defende que a Bolsa deve ser encarada pelo pequeno investidor como uma alternativa de investimento de longo prazo e recomenda a aplicação mínima inicial de R$ 5.000, "para que o rendimento não se perca em corretagem e taxas".


Abaixo, ele responde às provocações do grafista Didi.


Como uma análise macro pode ser usada para investimentos de curto prazo?

Alves - A análise dos fundamentos relaciona indicadores de mercado com rentabilidade. Não serve para operações de compra e venda de ações em um único dia ('day trade') ou em dois dias. Em gráficos a análise pode mudar em poucos dias, e eu penso no longo prazo.


Como confiar nos balanços se eles são escamoteados?

Eu confio porque é uma fonte oficial de informação. Se não confiar, não tem informação. Acredito que possa haver balanços escamoteados, mas para isso existem órgãos reguladores.


Como você identifica se tem gente operando com 'inside information'?


O grafista que vê isso é a mãe Dináh. O fato de eu ser fundamentalista não quer dizer que eu não veja grandes movimentações de volume.


Por que o mercado não acompanha as movimentações do fundamento?


O mercado nem sempre dá atenção a valor, depende mais do vendedor. Vendedores podem vender a preços diferentes, e o comprador é mais influenciado pelo ambiente, não tanto pelo valor das empresas.


ENTENDA OS TERMOS


FUNDAMENTALISTAS - A decisão de compra ou venda de papéis é tomada a partir da análise do ambiente macroeconômico e de índices elaborados a partir de informações de empresas, como balanços.


GRAFISTAS OU TÉCNICOS - Operam através da análise de gráficos. Acreditam que alguns padrões tendem a se repetir, portanto tomam suas decisões de operação com base no comportamento da ação em pregões anteriores. Não analisam balanços.


Publicidade


GUILHERME CHAMMAS

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA


http://www1.folha.uol.com.br/mercado/809349-qualquer-um-pode-ficar-rico-com-a-bolsa-diz-analista-de-mercado.shtml

Bons trades

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Point of view - 04/10



Ibovespa no semanal finalizou sem sinal de topo com valorização de 2,98% e com todas as condições de testar ainda durante a semana a região dos 71/72 mil pontos. O viés segue positivo com o OBV e Stocastico subinte.Mesmo buscando a resistência citada, é importante destacar a lateralidade do índice por quase um ano, ou seja, sem grandes movimentos (volatilidade baixa).


O stop mais curto do Ibovespa para posição compradora na região dos 68.000 pontos. Ponto que não deve ser perdido para a manutenção positiva no curto prazo. A semana passada foi impulsionada pelos bancos que romperam topo histórico e mineração com Vale do Rio Doce que continua fazendo novas máximas durante os últimos dez pregões.


Historicamente o último trimestre de cada ano tem movimentos positivos. Porém não significa que ira se repetir em 2010. Pelo visto estamos presenciando um ano eleitoral sem muito stress diferentemente de outras eleições passadas e não dando muito bola para os acontecimentos recentes na Europa.


Dow Jones segue sua tendência de alta no gráfico diário por enquanto respeitando a média de 08 dias. No gráfico semanal plotou um doji que necessita de confirmação para uma eventual virada de tendência no curto prazo. Para a manutenção da alta o rompimento dos 10.960 pontos é extremamente importante.


Wege3 preste a romper uma resistência com volume na região dos 19,40. Vale o acompanhamento bem de perto.


Pcar5 por enquanto dando continuidade ao fundo plotado na região dos 57,0.


Rapt4 rompeu mais uma resistência no gráfico semanal e segue forte em sua tendência de alta.


Bons trades


quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Point of view - 30/09


O Ibovespa vem subindo lentamente e mira o objetivo dos 71/72 mil pontos. Os indicadores se encontram na região sobrecomprada e todo o cuidado é pouco. Nas recentes realizações parciais do mercado, os preços caem de tal forma que devolvem em poucos dias o que demorou semanas para valorizar. Logo, a estratégia é manter firme o stop de venda.


Dow Jones no gráfico semanal vem forte e consistente e mira o objetivo do topo anterior nos 11.260 pontos. O indicador stocastico já se encontra em região de venda, porém ainda não apresentou indicação de fraqueza. No gráfico diário vem com uma pequena divergência baixista, porém é apenas um sinal, nada mais que isso.


Ogxp3 mostrou certa fragilidade no intraday. Trade finalizado.


Pcar5 testando suporte da média de 255 no gráfico diário. Até o momento vem plotando um sinal de fundo com stop nos 57,0.


Vale5 plotou um doji (candle de indecisão) em cima da projeção do Fibonacci. Compra boa somente acima da máxima de hoje nos 46,60. Os preços estão sendo negociados bem acima da média de 20 dias. Atenção!.


O setor de construção civil como um topo vem dando sequência ao sinal de topinho plotado ha alguns dias atrás.


Por outro lado, alguns ativos de menor liquidez vêm apresentando forte tendência de alta: Amar3 (Lojas Marisa), Lren3 (Lojas Renner), Drog3 (Drogasil) e Hgtx3 (Hering).


O Setor Bancário (Bbdc4, Itub4 e Bbas3) romperam topo histórico.


Bons trades



sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Point of view - 23/09



O Ibovespa não deu muita bola para o Dow Jones e resolveu valorizar 0,69% aos 68.794 pontos em dia de forte alta das ações da Petrobras. Finalmente o índice rompeu a resistência dos 68.800 pontos e agora mira os 71/72 mil pontos. No entanto, os indicadores se encontram esticados e uma realizada no curto prazo é favorável / saudável para a manutenção da alta.


Depois de vários dias consecutivos de valorização, o Dow Jones resolveu realizar com o objetivo de buscar algum suporte no gráfico diário. Os prováveis suportes estão nos 10.620 pontos (média de 8 dias), e 10.500 pontos (média de 20 dias e Fibo).


Os preços da Petr4 foram precificadas no processo de bookbuilding a 26,30 um pouco abaixo do valor de mercado. O início das negociações na BM&F Bovespa acontecera no dia 27/09 (segunda feira). Após as especulações que envolveram todo o processo de capitalização, acredito que a partir de agora tem tudo para seguir o seu rumo altista, mesmo porque se encontra descontado em relação aos principais players internacionais do mesmo setor. Além disso, houve alta demanda pelos papéis que foi necessário elevar de 10% para 20% o limite do lote adicional da oferta.


Bvmf3 rompeu mais uma resistência e agora mira os 16,30. Mais um dia de alta de 2,10% influenciada pela noticia de que a Bovespa atingiu o seu maior número de negócio ao registrar 662 mil operações, ou seja, superou o recorde anterior que era de 634 mil num único dia.


Ogxp3 registrou significativa alta confirmando um sinal de fundo plotado na quarta feira nos 19,70.


Petr4 mais uma vez respeitou o suporte nos 26,0. Primeiramente mira a região dos 30,0 que tem como a média de 255 dias como resistência.


Jbss3 rompeu um topinho anterior e confirmou o pivot com objetivo nos 8,10.


Bons trades


quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Point of view - 21/09



Entre altas e baixas o Ibovespa vai se aproximando da resistência dos 68.760 pontos. Se superar essa região, o próximo objetivo ficara em torno dos 71.000 pontos (topo anterior de abril de 2.010). Algumas blue ships, mas principalmente a Petr4/3, vem desacelerando uma melhora mais acentuada do mercado.


O Dow Jones e o S&P romperam uma forte resistência e tem toda a possibilidade de testarem os topos anteriores. Dow Jones nos 11.250 pontos e S&P500 nos 1.220 pontos.


O Ibovespa finalizou o dia com queda de -0,69% aos 67.720 pontos com a finalidade de aliviar os indicadores em função da valorização da segunda feira de 1,64%.


Bvmf3 depois de romper a forte resistência nos 13,60 segue forte na tendência altista rumo ao topinho anterior nos 14,55 e depois com o objetivo principal nos 16,30.


Ogxp3 deu uma lateralizada no gráfico diário, mas com fundos e topos ascendentes. Um bom suporte na região dos 19,50.


Vivo4 rompeu uma congestão no gráfico diário por volta dos 46,0. Próxima resistência do Fibo nos 47,80.


Bons trades